Polícia Militar Ciborgue: Óculos especiais

Os óculos especiais da Polícia Militar foram apresentados nesta terça-feira (12/04/2011) em São Paulo.

O aparelho será usado para ajudar os policiais a identificar criminosos, pessoas desaparecidas, procuradas e até torcedores envolvidos em brigas.

Os óculos contam com um sistema de biometria facial ligado ao banco de dados da polícia. A tecnologia é de origem israelense.

Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/04/oculos-da-pm-que-reconhece-criminosos-sao-apresentados-em-sp.html

Os opostos realmente se atraem?

Sim, mas o que chamamos de diferença vai além dos hábitos, da cor dos olhos e da classe social. Aparentemente são as diferenças genéticas que geram alguma forma de atração.

Uma pesquisa realizada pela geneticista Maria da Graça Bicalho, do Laboratório de Imunogenética da Universidade Federal do Paraná, dá pistas de que a força dos genes pode ser maior do que pensamos na hora de escolher os parceiros.

Existe algo chamado Complexo Principal de Histocompatibilidade (conhecido pela sigla MHC), uma região do nosso genoma na qual ficam vários genes que determinam a resposta imunológica do organismo.

Do ponto de vista biológico, seria bom que os indivíduos com MHC bem diferentes ficassem juntos, para melhorar o sistema imunológico. E parece que é bem isso que fazemos.

“Comparamos a compatibilidade entre os MHC de 90 casais reais com 300 casais de um grupo de controle formado aleatoriamente. Constatamos que de fato buscamos essa diferença”, diz Maria.

Coahuilaceratops magnacuerna: Nova espécie de dinossauro é descoberta no México

Coahuilaceratops magnacuerna

Coahuilaceratops magnacuerna

Uma nova espécie de dinossauro, da família dos ceratopsídeos, de 72 milhões de anos e cujos chifres são maiores que os de seus parentes, foi descoberta no México por paleontólogos americanos, anunciaram nesta sexta-feira os cientistas.

Este herbívoro de quatro a cinco toneladas, chamado de Coahuilaceratops magnacuerna, media cerca de sete metros de comprimento e tinha de 1,80 a 2,10 metros de altura.

O animal parecia um rinoceronte, com dois chifres de até 1,20 metro localizados sobre seus olhos, e caminhava em quatro patas. Os chifres são os maiores encontrados em animais desta família e sua função ainda não está clara. Os paleontólogos acreditam que ele tenha a ver com sucesso reprodutivo, para atrair parceiros sexuais.

“Sabe-se pouco sobre os dinossauros do México, e este achado aumenta em grande medida nosso conhecimento destes animais que viviam nessa região no fim do Cretáceo”, disse Mark Loewen, um paleontólogo do Museu de História Natural de Utah e principal autor do estudo, que será publicado na próxima semana na Indiana University Press.

O novo dinossauro foi encontrado na região do deserto de Coahuila durante expedições realizadas em 2002 e 2004, financiadas pela Universidade de Utah e pela National Geographic Society, editora da famosa revista mensal.

Na época em que este dinossauro viveu nessa parte do México, a região era um estuário úmido com abundante vegetação, um lugar onde as águas do oceano se mesclavam com as dos rios, indicaram os pesquisadores em um comunicado.

Muitos ossos de dinossauros fossilizados encontrados nessa zona estão cobertos de conchas fossilizadas que indicam que esses animais viviam próximos do mar.

As rochas onde foi encontrado o Coahuilaceratops também contêm muitos fósseis de dinossauros hadrossaurídeos (dinossauros herbívoros com bico de pato).

Estes locais parecem ter sido pontos de mortes em massa de dinossauros como consequência dos potentes furacões que ocorrem na região, explicaram os paleontólogos.

Bactéria pode melhorar a inteligência

Neurônios (cérebro) - Bactéria poderia ajudar na inteligência

Neurônios (cérebro) - Bactéria poderia ajudar na inteligência

A exposição a uma determinada bactéria poderia ajudar a tornar as pessoas mais inteligentes.

Pesquisadores de Nova York, nos Estados Unidos, descobriram que um tipo de bactéria comum no solo pode melhorar o aprendizado.

O trabalho apresentado no 110º Encontro Geral da Sociedade Americana de Microbiologia, em San Diego (24/05/2010) , usa como base um organismo que, acredita-se, já tenha propriedades antidepressivas.

Se sujar faz bem - Bactéria Mycobacterium vaccae

Se sujar faz bem - Bactéria Mycobacterium vaccae

A Mycobacterium vaccae é uma bactéria natural do solo, que as pessoas normalmente ingerem ou inalam.

Estudos anteriores mostraram que injetar bactérias mortas em ratos estimulava o crescimento de neurônios que, por sua vez, aumentavam o nível de serotonina e diminuíam a ansiedade nos animais.

Como a serotonina tem papel no aprendizado, os pesquisadores começaram a se perguntar se a bactéria viva poderia aumentar essa capacidade em ratos.

Eles alimentaram os roedores com espécimes vivos da M. vaccae e checaram sua habilidade ao atravessar um labirinto – os resultados foram comparados a ratos não alimentando com elas.

Aqueles que receberam bactérias na dieta atravessaram o labirinto duas vezes mais rápido e com menos ansiedade demonstrada que os outros.

Em um segundo experimento, as bactérias foram removidas da dieta e eles foram re-testados. Apesar de mais lentos do que antes, eles ainda estavam mais rápidos do que o grupo controle. Um teste final foi feito após 3 semanas. Apesar de ainda mais rápidos, os resultados dos ratos que comeram bactérias não foram estatisticamente satisfatório, provando que o efeito é temporário.

A pesquisa não é definitiva e apenas sugere que a M. vaccae pode ter influência na ansiedade e na capacidade de aprendizado dos mamíferos. Mas os pesquisadores declararam que isso pode sugerir que, em escolas, passar mais tempo ao ar livre pode ser bastante benéfico para as crianças – diminuindo sua ansiedade e ajudando no aprendizado.

Omajinaakoos – Criatura encontrada no Canadá

Os habitantes da reserva Big Trout Lake, no norte da província de Ontário, em um local que só é possível chegar de avião, descobriram o corpo de uma estranha criatura no começo do mês.

No site da comunidade, que pertence à etnia indígena oji-cree, o animal é descrito como uma criatura de uns 30 centímetros de comprimento e com “uma cara quase humana”, o que provocou uma intensa discussão sobre se é um animal nunca visto antes ou apenas uma espécie deformada após ficar submersa.

No entanto, alguns moradores de Big Trout Lake acham que “o monstro” é uma estranha criatura quase mítica chamada de “omajinaakoos” (“o feio”) na língua local que não é visto a quase meio século.

As fotos colocadas na página de internet da comunidade mostram um corpo alongado, com pelo marrom e uma cara pálida ao que somam-se presas curvadas e longas. A falta de coloração dos olhos acrescenta uma dimensão perturbadora à imagem.

Segundo os meios de comunicação locais, alguns dos indígenas mais velhos pensam que o animal é um mensageiro de más notícias.

“Ninguém sabe o que é, mas nossos antepassados o chamavam ‘O Feio’. Ele quase nunca é visto, mas quando aparece é um mal augúrio. Algo mau vai acontecer segundo nossos antepassados”, diz a página da comunidade.

As primeiras informações divulgadas:

Moradores de uma cidade no Canadá estão intrigados após o corpo de uma criatura estranha ter sido encontrado em um lago. O animal com o corpo pelado e sem pelos na cabeça foi achado por duas enfermeiras em Kitchenuhmaykoosib durante uma caminhada.

Segundo o jornal britânico “Morning Starr”, as duas mulheres fotografaram a criatura, que, para alguns, seria uma versão do “famoso monstro” de Montauk (animal estranho que foi encontrado em uma praia em Montauk, no estado de Nova York, em 2008).

As mulheres foram embora e deixaram o corpo no local. No entanto, quando outros moradores decidiram voltar ao lago para ver o animal, o corpo já havia desaparecido.

Isso está me cheirando a Fake – Thiago Tomais

Vacina da H1N1 para crianças de 2 a 4 anos gratuita

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou nesta sexta-feira (21) que crianças com idades entre 2 e 4 anos e 11 meses podem se vacinar contra a nova gripe a partir da próxima segunda-feira (24/05).

Até agora, apenas as crianças que tivessem entre seis meses e dois anos haviam sido imunizadas contra o vírus.

O ministro disse também que o fim da campanha de vacinação contra a gripe A (H1N1) foi adiado até o dia 2 de junho. Segundo o ministro, a vacinação está aberta para adultos com idades de 30 a 39 anos e gestantes, além das crianças.

Os grupos das gestantes e pessoas com 30 a 39 anos foram os únicos que ainda não atingiram a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde, que é vacinar 80% da população estimada em cada um dos grupos. Até agora, 61 milhões de pessoas foram imunizadas.

Duas etapas

A vacinação para as crianças será feita em duas etapas. Depois de tomar a primeira meia dose, elas devem voltar ao posto de saúde após 21 dias e tomar a segunda metade. Segundo o ministério, para a inclusão da nova faixa etária o governo irá lançar mão de 10,8 milhões de doses da vacina.

Genética contra o crime no Brasil

Brasil terá banco de perfis genéticos para identificar criminosos.

Um banco onde ficarão armazenadas informações genéticas de pessoas que tenham praticado atos violentos ou sexuais é a mais nova ferramenta da Polícia Federal (PF) no combate ao crime. Conhecido pela sigla inglesa Codis, o novo software foi doado pelo FBI e permitirá à PF montar o Banco Nacional de Perfis Genéticos, primeira experiência nacional na área.

Segundo o diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, o acordo com o órgão norte-americano estabelece que a iniciativa seja expandida para os estados brasileiros. Desde o início do mês, técnicos do FBI se encontram no país preparando os primeiros computadores que serão enviados para o Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraíba, Bahia, Ceará, Amazonas, Amapá e Pará.

Já o treinamento dos peritos brasileiros que vão trabalhar na futura rede integrada do banco nacional teve início hoje (20), em Brasília. Quando ela estiver funcionando de forma integrada, as informações federais e estaduais serão reunidas pelo Instituto Nacional de Criminalística de Brasília, onde funcionará o banco nacional.

“Temos um índice muito baixo de resolução de crimes de homicídios e muitos deles poderiam ser solucionados se já tivéssemos este banco”, disse Corrêa, ao participar do Seminário Internacional sobre Repressão ao Crime Organizado, na tarde de hoje (20). “Normalmente, o criminoso sexual é alguém que volta a praticar o mesmo tipo de crime. Então, se tivermos um banco como esse, com vestígios que nos permitam formar um banco de dados com o perfil genético dos criminosos, poderemos identificá-los a partir de provas que forem colhidas no local do crime.”

Lista de Jupter desapareceu

Júpiter perdeu uma das suas listras, deixando a sua metade sul com um branco diferente. Cientistas ainda não têm certeza do que provocou o desaparecimento da listra. Nas fotos feitas do planeta aparecem quase sempre duas faixas escuras sobre sua atmosfera – uma no hemisfério Norte e outro no hemisfério Sul.

Mas as imagens recentes feitas por astrônomos amadores mostram que a listra do Sul – o chamado cinturão sul equatorial – desapareceu, de acordo com a revista New Scientist. A última vez que a listra foi vista foi no final de 2009, logo antes de a posição de Júpiter no céu ficar muito perto do Sol no céu para ser observado da Terra. Quando o planeta pode ser visto novamente, o cinto sul equatorial estava longe de ser visto.
Esta não é a primeira vez que a listra desaparece. Ela esteve ausente em 1973, quando nave espacial da NASA Pioneer 10 fez a primeira seção de imagens do planeta e também temporariamente desapareceu no início de 1990.

As listras podem aparecer escuras simplesmente porque nuvens brancas de alta altitude, comuns em outras regiões do planeta, estão em falta lá, revelando as nuvens escuras que ficam mais abaixo, diz Glenn Orton do Jet Propulsion Laboratory, em Pasadena, Califórnia. “Você está procurando em diferentes camadas das estruturas de nuvens do planeta”, disse ele à New Scientist.

Segundo esta teoria, o cinto sul equatorial desaparece quando nuvens brancas são formadas sobre ele, bloqueando nossa visão das nuvens mais escuras. Mas não está claro o que faz com que essas nuvens brancas se formam em alguns momentos e em outros não, diz Orton.

Fonte: http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/1,,EMI139764-17770,00.HtmL

Imperdivel!